Danilo Forte se filia ao PSDB

Postado por Thiago Ellery em 07/04/2018 - Sem Comentários

O deputado federal Danilo Forte se filiou ao PSDB na tarde de ontem. O ato ocorreu no escritório do senador Tasso Jereissati. O deputado afirmou que o ingresso na sigla se deve “à coerência”. “Temos que ter coerência com uma proposta que tem começo, meio e fim. O Ceará precisa voltar a ter seriedade na vida pública”, disse o deputado.

“O ingresso do Danilo no PSDB significa a chegada de um quadro, qualidade, que pode dar ao nosso partido força não só eleitoral, mas uma força moral”, comentou Tasso. Também participaram da solenidade o presidente regional do partido, Francini Guedes, os deputados Carlos Matos e Raimundo Gomes de Matos, o vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, e Domingo Filho (PSD).

Trocas

Danilo Forte lembrou que deixou o PMDB porque o partido “tinha afeição ao poder e não tinha projeto político”. Já o PSB o atraiu, conforme destacou, “porque queria uma ruptura com o sistema que governava o Brasil, que quebrou o Brasil em 2014, liderado pelo desastroso governo da presidenta Dilma”. Quando o partido desembarcou da base aliada de Temer no ano passado, entretanto, Danilo Forte buscou, no DEM, o espaço que havia perdido no PSB por discordar dos rumos tomados pela agremiação. “O PSB regrediu e retomou um projeto antigo, populista, que não priorizava exatamente

as mudanças que o Brasil precisa fazer”.

“Eu sempre gostei de ter posição, defendo as mudanças porque elas são necessárias e precisam ser feitas; mudanças políticas, mudanças de comportamento, mudanças de postura. Ou a gente enfrenta isso abertamente e, dentro disso, cria um projeto para isso, ou eu não vou ficar no campo da semvergonhice e do palanque eleitoreiro. Não sou daqueles que em Brasília é Temer, que em Fortaleza é Lula e em Sobral se abraça com Ciro Gomes. Não sou. Eu tenho lado, tenho postura”, disparou.

O parlamentar afirmou que foi determinante para a escolha do PSDB a busca por um “projeto definido, com começo, meio e fim, e com uma postura coerente”. “Acho que, na incoerência ou no jogo palanqueiro, nós não vamos resolver o problema na política do Ceará. Não vamos. Nem no Ceará, nem no Brasil. Esse filme já passou e ninguém gostou”.

Com informações de Diário do Nordeste

 

0 Comentários

Deixe o seu comentário!